Somos engajados no desenvolvimento sustentável do Brasil e acreditamos na força do setor sucroenegértico nesta agenda. Participar do processo de construção de estruturas regulatórias e jurídicas que garantam maior segurança aos consumidores e um ambiente estável para investimentos faz parte das nossas prioridades.

Consideramos o diálogo ético, íntegro e transparente como forma de disseminar nosso posicionamento institucional em temas relevantes para toda a sociedade.

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO

ACORDO DE PARIS

O QUE É?
É um tratado mundial que possui o objetivo de frear o aquecimento global. O tratado estabelece como meta manter a elevação da temperatura global neste século bem abaixo dos 2 graus e buscar esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5 graus Celsius.

POR QUE APOIAMOS?
Acreditamos que ele coloca em evidencia os esforços convergentes para um desenvolvimento pleno e sustentável que reforça a economia, considerando os impactos sociais e ambientais das atividades produtivas. Esse compromisso é fundamental para obtenção de resultados concretos rumo à economia de baixo carbono. Como uma das maiores produtoras de biocombustível e bioenergia do Brasil, a empresa endossa as propostas e medidas adotadas no documento e reafirma o seu compromisso em adotar as melhores práticas para alinhamento do seu modelo de negócio às ambições mundiais para o desenvolvimento sustentável.

RENOVABIO

O QUE É?
Um dos mais importantes marcos na política pública brasileira que busca estabelecer uma estratégia conjunta entre agentes públicos e privados para gerar previsibilidade e valorizar o papel de todos os biocombustíveis como instrumentos para a descarbonização da matriz de transportes, em conformidade com as metas do Brasil no âmbito do Acordo de Paris.

POR QUE APOIAMOS?
O setor propõe a efetiva e célere regulamentação do RenovaBio, conforme cronograma de ações já pré-estabelecido por lei, de forma a garantir a plena operacionalização do programa a partir da safra 2019/2020, como forma de garantir o adequado planejamento dos investimentos privados e adequação do setor público a este que deverá ser o mais importante programa de descarbonização dos transportes no mundo.

ROTA 2030

O QUE É?
É um programa que estabelece a redução da alíquota do IPI na venda de veículos e concede maiores incentivos aos projetos de P&D em toda a cadeia do setor automobilístico. Com a implantação de políticas industriais inteligentes e tecnologicamente inovadoras como o Rota 2030, os veículos poderão ter um desempenho cada vez melhor com o etanol, fazendo com que a paridade entre o biocombustível e a gasolina chegue a mais de 80%.

POR QUE APOIAMOS?
Reconhecemos o potencial dos biocombustíveis no processo de eletrificação (incentivos carros híbridos-flex). Acreditamos que políticas públicas estruturadas para promover tecnologias de propulsão avançadas, como os veículos híbridos com motor flex e veículos com célula de combustível a etanol, melhoram a eficiência energética dos biocombustíveis e proporcionam benefícios ambientais e de saúde pública para a sociedade como um todo.

BIOELETRICIDADE

O QUE É?
A bioeletricidade é uma fonte complementar de energia limpa. Sua capacidade atual instalada pela fonte biomassa (a partir da cana-de-açúcar), em geral, supera à instalada pela usina Itaipu, ocupando a 3ª posição na matriz elétrica brasileira, atrás apenas das hidrelétricas e das termelétricas de combustíveis fósseis. Agregar bioeletricidade ao sistema significa contribuir para sua confiabilidade e para a mitigação dos efeitos da expansão das fontes intermitentes na matriz elétrica brasileira.

POR QUE APOIAMOS?
Acreditamos na importância de estabelecer uma política setorial estimulante e de longo prazo, com diretrizes claras e de continuidade, buscando garantir o uso eficiente deste recurso energético renovável.

COMPETITIVIDADE NA AGROINDÚSTRIA

PRECIFICAÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS E COMPETITIVIDADE
DO ETANOL

O QUE É?
A precificação da gasolina pela Petrobras, deve ser estabelecida com clareza e transparência, seguindo o mercado internacional. Medidas equivocadas, podem gerar um desequilíbrio na atual estrutura tributária da matriz de combustíveis, que atualmente reconhece as externalidades positivas do etanol frente ao combustível fóssil, e como consequência, retirar a vantagem competitiva do renovável em relação ao fóssil.

POR QUE APOIAMOS?
Entendemos que qualquer modelo de precificação que venha a ser estabelecido deve manter uma relação direta entre os valores dos derivados praticados no mercado doméstico e àqueles observados no mercado internacional, convertidos em Reais a partir da taxa de câmbio vigente.

BARREIRAS/SUBSÍDIOS E OPORTUNIDADES PARA AÇÚCAR
E ETANOL DE CANA NO MERCADO INTERNACIONAL

O QUE É?
O Brasil é responsável por 45% do mercado global de açúcar, entretanto este é um dos mercados mais protegidos por barreiras tarifárias e não-tarifárias. Vale lembrar que o Brasil tem sido um dos mais prejudicados e penalizados por muitas destas práticas distorcidas de comércio mundial.

POR QUE APOIAMOS?
Sendo o maior produtor de etanol de cana do mundo, o Brasil deve buscar oportunidades de abertura de mercado para este produto. O objetivo é promover maior cooperação e comércio via programas de incentivo ao uso de biocombustíveis e energias renováveis em diversos mercados internacionais.