Mulheres Atvos participam do VII Encontro Cana Substantivo Feminino

22/03/2018

Lídia Cabreira Toledo, multiplicadora de treinamento, e Rubian Zillmer, coordenadora de Pessoas & Organização, ambas do Polo Santa Luzia, tiveram suas vidas transformadas pela cana-de-açúcar. Elas contaram suas experiências de vida no setor sucroenergético durante o VII Encontro Cana Substantivo Feminino, realizado hoje (22/03), em Ribeirão Preto (SP). O evento tem como objetivo a troca de experiências entre as diversas mulheres que atuam no setor, além de promover o debate sobre as ações adotadas pelas empresas que visam aumentar a presença feminina no mercado.

 

Lídia atua na Atvos desde 2009 e começou na área agrícola, com o plantio de mudas. Desde então, passou por diversas áreas e funções. Hoje atua como multiplicadora de treinamento e conta com orgulho da sua trajetória nesses nove anos de empresa. “Eu vejo as pessoas entrando hoje na empresa e lembro com carinho dos meus primeiros dias. Aprendi muito e hoje trabalho no campo com processos de melhorias que trazem para o nosso negócio maior produtividade, menos custo e garantia da segurança no trabalho”, conta.

 

Na empresa há dez anos, Rubian viu a transformação do setor e da região de Nova Alvorada do Sul com a instalação da Unidade Santa Luzia. Ela, que sempre atuou na área de Gestão de Pessoas, se diz orgulhosa de ter acompanhado de perto as oportunidades oferecidas pela empresa para os moradores locais. “Atuamos muito forte com capacitação e profissionalização. Eu vi a cidade se transformar, a Atvos oferecer muitas oportunidades e um município que nitidamente cresceu com a presença da nossa unidade”, diz.

 

Essas histórias de superação e crescimento foram apresentadas no painel “A Cana Transforma Vidas”. Para Rubian, a participação neste evento é fundamental para mostrar a importância da ascensão da presença feminina no setor. “Igualar oportunidades gera uma pluralidade de perspectivas que enriquecem a organização. Por isso, é imprescindível lutarmos por um ambiente não discriminativo e com iguais oportunidades para que todos desenvolvam seu potencial”, finaliza.